Ontem, por motivos diversos, não pude fazer um debate sobre um texto do Mia Couto que havia programado para uma disciplina curso de Psicologia… E qual não foi a minha surpresa quando abri o meu email  e encontrei esse texto da Marina Campos. Vale a a reflexão.

(…) eu gostaria de comentar sobre a leitura sugerida para a aula. O texto do Mia Couto “Línguas que não sabemos que sabíamos”.

   Eu nunca havia lido nada de Mia Couto e confesso que achei o texto perfeito e acredito que daria espaço para uma boa discussão do tema que aborda uma forma de pensar a língua muito abrangente, muito além do simples falar ou ouvir o que se fala. Ele traz uma crítica ao sistema atual que prende o sujeito a uma cultura única de linguagem e à tecnologia como não sendo um elemento de salvação para o problema de comunicação e entendimento.

   Vai além dos paradoxos de uma língua que supera estereótipos.

   E o homem, diversificado em línguas, pode se tornar um grande ignorante na leitura e no diálogo com os conhecedores da palavra local, e sua grande arma talvez seja a sensibilidade.

   Não sei se esses seriam exatamente os pontos que o professor abordaria em sala porque o texto abre um leque de assuntos sobre a língua. Remete história, cultura, preconceito.

   Mas nos leva para uma visão nova e uma valorização maior da língua.

   Durante uma pesquisa sobre o tema “línguas” encontrei no seu site o tema Lunfardo: “o modo de falar que se opõe a língua”? que fala do “universo do Tango revelando em sua musicalidade uma língua, ou um idioma”…”Uma mescla de idiomas”…”Lunfardo, o idioma de múltiplas origens que expressa vivência”… ”um modo de falar que se opõe a língua comum…”

   Achei que complementou como um exemplo de “liberdade linguística” pelo menos ao meu entendimento (me corrija se eu errei em algo).

“AO LADO DE UMA LÍNGUA QUE NOS FAÇA SER MUNDO, DEVE COEXISTIR UMA OUTRA QUE NOS FAÇA SAIR DO MUNDO.DE UM LADO, UM IDIOMA QUE NOS CRIE RAIZ E LUGAR.DO OUTRO, UM IDIOMA QUE NOS FAÇA SER ASA E VIAGEM.”

Desculpe incomodar mas eu precisava falar do texto.

Marina MF Campos, aluna do 1° semestre de Psicologia da FVR – UNISEPE.

Imagina! Incomodo nenhum!!!