Por Dr. Erick Reis Godliauskas Zen

Twitter: @erickrgzen

  • A questão russa no Báltico
  • Lituânia, Letônia e Estônia as suas diferenças
  • É possível uma política coordenada?
  • As contradições das posições anti-russas

Nos últimos meses as tensões entre as três repúblicas do Báltico (Estônia, Letônia e Lituânia) e a Rússia só se fizeram ampliar. Provocações de lado a lado em discursos inflamados. Movimentações de tropas nas fronteiras, sobrevoos de aviões militares, entre outras formas de provocação fizeram parte de um repertório pouco diplomático e profundamente agressivo. No entanto, as sanções econômicas impostas à Rússia e as medidas de taxação para negociação com moeda estrangeira da Bielorrússia e as tensões com a enorme população russa na Estônia e Letônia estão levando a este país a se separarem de uma política mais agressiva, na diplomacia, sustentada pela Lituânia

            Do ponto de vista da formação cultural e histórica as três repúblicas do Báltico tem pouco em comum. A Lituânia tem maioria católica enquanto os outros dois protestantes. Estônia e Letônia tiveram por muito uma cultura próxima à germânica, já que foram ocupados pelos cruzados daquele país ainda durante a Idade Média. A Lituânia, por sua vez, ao repelir a invasão dos cruzados germânicos, constitui um vasto Império Medieval, que acabou com a União Polonesa-Lituana. Assim, a história da região, que hoje forma as três Repúblicas se manteve em muito separado. Mesmo do ponto de vista linguístico. Há quem afirme que o lituano e o leto têm muito em comum. Eu, como aprendiz dos dois, discordo! Está longe de ser como português e espanhol, como muito se diz, uma vez que a estrutura das declinações é distinta.

            Assim, a “unidade” das três Repúblicas se deu pela primeira vez com a situação de ocupação do Império Russo, pós Guerras Napoleônicas, e com os movimentos de resistência a este. Com o fim do Império Russo, resultado da Primeira Guerra Mundial (1914 -1918) e da Revolução Russa (1917), Estônia, Letônia e Lituânia conheceram pela primeira vez a independência enquanto Estado nacional moderno. Independência essa que durou somente até o início da Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945), quando já no tratado de não agressão Ribbentrop-molotov, Alemanha e União Soviética dividiram em protocolos secretos aquela região em áreas de influência, vulgo ocupação. Assim, as Repúblicas foram ocupadas primeiras pelas tropas soviéticas, depois, com a derrota inicial dessas, pelos nazistas e novamente anexadas a URSS como Repúblicas Socialistas Soviéticas.

            Durante o período soviético os países foram completamente transformados, inclusive na sua composição nacional. As comunidades judaicas foram praticamente eliminadas pelo genocídio nazista. Ao longo da Guerra, parte da população de origem germânica nos bálticos também acabou por ser deslocada pelos nazistas.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, a URSS incentivou um programa de imigração de russos para os países Bálticos que teve um grande impacto na Estônia e na Letônia, que chegou por volta de 30% da população. É preciso também acrescentar que um extenso processo de deportações em massa foi levado a cabo durante a Segunda Guerra Mundial e durante o período de Stalin. Processo esse que praticamente eliminou a elite econômica e cultural do período da independência e a substituiu por uma elite vinculada aos respectivos partidos comunistas. Com isso, temos nos países Bálticos duas comunidades distintas de russos. Uma mais antiga estabelecida durante a modernidade e o Império Russo. A outra uma elite russa transplantada dentro de um projeto soviético.

            Para encurtar, e simplificar na medida do possível, durante a crise que levou ao fim da União Soviética, as três Repúblicas do Báltico tiveram o seu momento de protagonismo. Ali foi início, ou um deles, de movimentos pela independência nacional que colocou em cheque o já decadente sistema soviético. O momento mais simbólico, sem dúvida, foi o caminho do Báltico, quando a população dos três países se reuniu em uma corrente humana nas estradas da fronteira com a Rússia.

            Com o fim da URSS, cada país seguiu o seu caminho (ver post anterior), mas tentativas de cooperação, com acordos econômicos e militares sempre estiveram presente no horizonte comercial e de segurança. Recentemente, diante das tensões com  a Rússia, tratados de mutua-defesa foram ratificados e ampliados e a princípio as três Repúblicas pareciam andar juntas.

            Devido a enorme população de origem russa na Estônia e na Letônia, a crise na Ucrânia, e mesmo antes dela, despertava o medo dos lideres políticos de que essa fosse utilizada e mobilizada para permitir uma influência maior, uma intervenção e até mesmo a ocupação dos dois países. Esse medo se tornou ainda maior devido à ostensiva propaganda de Moscou realizada pelos seus meios de comunicação, em idioma russo. Até mesmo na área esportiva Moscou tem influenciado a Letônia patrocinando, via empresas de Petróleo, “ super times” de Hockey. Toda essa influência russa, também se fazia presente nas relações comercias.

            Na questão economia, há um aspecto importante para o qual devemos atentar. Em geral quando se faz uma análise econômica, se considera a produção, exportação, capacidade de financiamento e etc. No entanto, há uma dimensão cotidiana da economia que é mais difícil de ser captada. Refiro-me ao pequeno comércio, ao pequeno produtor, aos caminhoneiros que faziam transporte da Rússia para os portos bálticos. O atravessador de produtos legais – e não tão legais assim – com a fronteira da Bielorrússia. A isso poderíamos acrescentar um fluxo turístico. Enfim, todo esse microcomércio, pequenos serviços e mais os indivíduos que hora buscam por emprego na Rússia, hora no ocidente, foram os mais afetados pelas sanções a Rússia, a desvalorização da sua moeda e pelas recentes medidas de taxação tomadas pela Bielorrússia. Neste contexto, um contingente de insatisfeitos e cujo impacto econômico até então não se fazia sentir, começa a se manifestar.

            Dessas questões ficou claro, ainda mais no dia de hoje, as diferenças entre Estônia e Letônia de um lado e Lituânia do outro. Enquanto os dois primeiros se aproximam da política da Alemanha, de busca de novas soluções e diálogos, a Lituânia mantem a rigidez da sua política externa e um discurso de enfrentamento com relação a Rússia. Ontem, um novo embaixador da Lituânia foi designado para a Rússia e sua primeira declaração foi que “não buscaria novos diálogos”. Essa postura de não diálogo contradiz até mesmo a função do embaixador. Para complicar o quadro, Lituânia preparou e distribuiu um manual explicando o que deve ser feito em caso de invasão russa… Exatamente no mesmo momento, a Letônia parece querer retomar o diálogo perdido.

            O fato que parece estar cada vez mais claro para Europa, em especial para a Alemanha e a França, é que uma Rússia debilitada econômica e isolada politicamente pode causar mais danos do que resultados. Resta saber: Como será o movimento político em cada um dos países para lidar com essa nova situação? Como lidar com as pressões sociais que começam a surgir? Até que ponto um discurso nacionalista anti-russo pode continuar como elemento mobilizador diante da crise na economia? O que parece certo é que há um movimento de distanciamento entre as políticas externas dos três países e a pergunta final é: Quem ganha com isso?

  • Se você GOSTOU deste artigo inscreva o seu e-mail para receber atualizações
  • Sobre Europa Centro-Oriental ver (Aqui)
  • Sobre a Lituânia e passado soviético ver (Aqui)
  • Acompanhe a nossa página no Facebook
  • Conheça nosso canal no YouTube.