Em todos os cursos do ensino superior têm uma disciplina de metodologia científica. No entanto, como evidenciou a pandemia, grande parte dos brasileiros, considerando apenas os diplomados, tem enorme dificuldade em lidar com a ciência e com método científico.

Para além das lutas política ideológicas, da proliferação de grupos anti-ciência, negacionistas e da difusão descontrolada de fake news, acredito que um problema adicional é a qualidade do ensino do método científico.

As Aulas de Metodologia

Na minha experiência docente fui professor de metodologia científica em cursos de graduação e pós-gradução e com o tempo observei que cada vez mais esse curso se reduzia ao ensino das formalidades da ABNT e de “macetes” (para não dizer gambiarras) para a escrito dos temidos TCC.

O resultado foi que os cursos se tornaram terrivelmente chatos, insuportáveis e frustrantes para docentes e discentes. Não por acaso foram os primeiros a serem “despachados” para as formas simples e pouco elaboradas do EAD.

Não há aqui uma crítica ao ensino das regras da ABNT. Sim! Elas são necessárias e importantes, pois o rigor da exposição, das referências, é parte fundamental da ciência feita com qualidade. A questão é quando o curso de metodologia é reduzido a formalidade e não propõe pensar ou explica o método científico. Os motivos da sua existência, como ele surgiu, entre outras questões que podem ser levantadas com relação ele.

Retomar a Ciência Para Vencer o Obscurantismo.

A metodologia foi perdendo importância, seu conteúdo esvaziado. Os alunos pararam de ler artigos científicos da forma adequada e ao não ler, também param de escrever. Todo esse processo foi levando ao afastamento da ciência, da produção, do método e do rigor, permitindo o entendimento de como se produz o conhecimento da forma adequada.

No mesmo sentido, há a necessidade do ensino história e da filosofia da ciência dialogando com o método científico que em muito poderia contribuir para que o conhecimento pudesse ser difundido. O conhecimento não pode perder espaço para formas supersticiosas, para enganação para o que é deliberadamente e intencionalmente mentiroso.

Utopia na Educação Pós-pandemia.

A ciência precisa recuperar o seu espaço dentro do ensino sem medo de enfrentar o obscurantismo, principalmente no ensino superior. A leitura adequada de trabalhos científico, a produção do conhecimento precisam ser o norte das instituições públicas e privadas.

No mundo pós-pandemia, a educação deveria ser repensada. Não para criar formas mirabolantes de ensino, mas para se recuperar o seu fundamento. A pandemia evidenciou que o não conhecimento e o não entendimento dos fundamentos da ciência dificultam a tomada de decisão de muitos brasileiros custando a vida de muitos.