Está disponível na  íntegra na plataforma Vimeo o filme Nova Lituânia, do diretor lituano Karolis Kauponis, de 2019. Uma obra que vale a nossa atenção, pela reflexão que ela traz sobre a ocupação e o desaparecimento da Lituânia independente, ou mesmo com a nação.

O roteiro proposto é engenhoso e trabalha com uma utopia desenvolvida que se passa na década de 1930. Em meio as tensões que rodeiam a Europa, a recém independente Lituânia (1918), corre o  risco de desaparecer, por ser uma presa fácil de  duas potências, a Alemanha nazista e a União Soviética.

Nesse contexto, o geógrafo Feliksas Gruodis apresenta uma nova solução, para evitar o desaparecimento dos lituanos em caso de ocupação. Ele propõe a criação de uma “Lituânia de backup” no exterior. Nessa Lituânia imaginária e utópica, os lituanos poderiam buscar abrigo, em caso de perigo. Para realizar esse objetivo, Gruodis vai buscar o apoio da elite política. 

Em meio a essa busca, o protagonista ainda tem que lidar com os dramas familiares e as crises no seu casamento, o que torna toda a questão ainda mais dramática. O aspecto fica ainda mais dramático pela escolha do uso do preto e branco nas filmagens.

A temática me fez pensar em algo que talvez não fosse a intenção do  diretor/roteirista e quem sabe uma perspectiva muito pessoal. No meio do filme, me peguei pensando que  entre os deslocados de Guerra que, como  refugiados, se estabeleceram em diferentes países: Estados Unidos, Argentina, Brasil, Canadá… Havia o discurso de que a Lituânia havia desaparecido e que a verdadeira “lituanidade” teria que sobreviver fora do país, enquanto ele estivesse ocupado. 

Assim como o protagonista, de certa forma, os refugiados também construíram a sua Lituânia utópica, nas associações e organizações sociais que buscavam manter os aspectos culturais e linguísticos da sua nação. 

Esse drama de perder a sua nação está de certa forma presente no imaginário lituano, devido aos histórico de ocupações, e esse clima, tensões que o filme  capta muito bem.  Vendo em 2022, quando um país está em processo de ocupação por uma potência, o drama de achar um lugar para uma nação fica comovente.