Por: Dr. Erick Reis Godliauskas Zen

Twitter: @erickrgzen

  • Kristen Ghodsee. The Left Side of History. World War II and The Unfulfilled Promise of Communism in Eastern Europe. Duke University Press, 2015.
  • Atenção: Esse texto não é uma resenha!

O Lado Esquerdo da História de Kristen Ghodsee foi sem dúvida um dos melhores livros que conseguir ler nos últimos anos, por duas razões: pelo tema abordado e pela forma como foi escrito. Kristen Ghodsee é uma conhecida antropóloga americana cujos estudos abordam temas relacionados a gênero e a Europa Oriental, após o colapso do comunismo. Em particular se concentra na região dos Balcãs, principalmente na Bulgária.

Foto: Erick Zen
Kristen Ghodsee. The Left Side of History. World War II and The Unfulfilled Promise of Communism in Eastern Europe. Duke University Press, 2015.

O livro tem um tom particular: ao contrário do que se espera de uma obra escrita por uma acadêmica, a autora mescla suas pesquisas a elementos do seu cotidiano, suas impressões, e reflexões. Assim, é como se nós estivéssemos lendo o seu caderno de campo e não somente sua análise final. Essa característica, ao invés de deixar a análise confusa, acrescentou uma dramaticidade pessoal que deu maior intensidade ao livro.

A obra começa com uma investigação sobre o assassinato de Frank Thompson que lutou como partisan na Bulgária até ser capturado e fuzilado. O capitão Thompson se tornou famoso por sua luta dedicada e foi homenageado até com nome de rua, durante o governo comunista. Ocorre que ele foi também o irmão mais velho, e para alguns o mais talentoso, de Edward P. Thompson (1924 – 1993) um dos mais importantes historiadores marxistas do século XX.

Ao buscar as fontes de suas pesquisas sobre Frank Thompson, a autora entrou em contato com uma série de personagens que se entrelaçam com as tensões e conflitos de uma Bulgária presa entre as memórias do regime comunista e a crise que se abateu sobre o país na primeira década do século XXI. A Bulgária foi aceita na União Europeia, mas é considerada o seu membro mais pobre.

As Mulheres na Bulgária Comunista.

Se na primeira parte do livro, Kristen Ghodsee recupera a História daqueles que lutaram contra o fascismo, na segunda, ela se dedica à questão das mulheres na Bulgária, encontrando no seu percurso interessantes e intrigantes personagens.

Entre esses personagens duas mulheres que trabalhavam para o regime se destacam. A primeira foi Elena Lagadinova, uma das heroínas da luta contra o nazi-fascismo, uma das mais jovens mulheres a fazer parte da resistência. Recebeu o codinome de Amazona por ter se reunido aos partisans e ao seu irmão Assen, um dos principais líderes, em um cavalo.

Após a Guerra, e de se formar e doutorar, Elena integrou o Comitê das Mulheres. Durante o período comunista, a Bulgária conseguiu estabelecer uma relevante política de Estado com relação às mulheres o que incluía: licença maternidade de dois anos, jardins de infância, ingresso na universidade entre outras questões.

Todo esse trabalho deu à mulher búlgara uma das melhores condições entre os países do bloco comunista e, certamente, muito melhor do que da maior parte dos países ocidentais.

Com o fim do comunismo, Elena passou a ser apenas mais uma entre tantas aposentadas com as dificuldades financeiras de todos os búlgaros que viviam (vivem) de pensão, em plena crise que se abateu na economia europeia em 2008.

Apenas saudosismo ou era tudo verdade?

Entre os diálogos mais intrigantes registrados pela autora está o do seu último encontro com Anelia (pseudônimo). Anelia foi uma importante participante das publicações femininas na Bulgária e representante deste país em Berlim em diversos congressos.

Ao longo dos anos ela sempre escreveu artigos críticos ao modo de vida ocidental, ao capitalismo, demonstrando como este explorava os indivíduos e os deixava em situação de miséria. Em todos os anos em que escreveu ela demonstrava desconfiança sobre o conteúdo dos seus próprios textos. Acreditava realizar apenas trabalho de propaganda ditada pela linha do Partido Comunista, da qual ela nunca foi um membro.

Ao chegar aos setenta anos de idade, com uma pensão que não a sustentava, correndo risco de perder seu único apartamento e desempregada, ela olha para o passado e entende que tudo o que havia escrito de negativo sobre o capitalismo era verdade: “era tudo verdade”.

Dilemas da escrita da historia comunista.

Como muito bem aponta Ghodsee, escrever o comunismo nos coloca diante de muitas tensões. Os comunistas derrotaram o nazi-fascismo, mas instalaram um regime repressor e censor que levou milhares de pessoas às prisões e à morte.

Assim como Boris Lukanov, assassino de Frank Thompson, Petar Gabrovski que pessoalmente assinou a deportação de 20.000 judeus está na lista de vítimas do comunismo
Assim como Boris Lukanov, assassino de Frank Thompson, Petar Gabrovski que pessoalmente assinou a deportação de 20.000 judeus está na lista de vítimas do comunismo

Assim como Boris Lukanov, assassino de Frank Thompson, Petar Gabrovski que pessoalmente assinou a deportação de 20.000 judeus está na lista de vítimas do comunismo.

Ao mesmo tempo, no cotidiano, abriu horizontes para a ciência, para uma vida melhor das mulheres, principalmente na Bulgária, aprimorou a educação, garantiu emprego, moradia, assistência médica e principalmente acabou com a miséria. Em suma, deu estabilidade ao cotidiano dos indivíduos.

Como articular essas duas pontas? Como expressar essas contradições? Este é o desafio de quem quuiser escrever essa história de uma forma honesta. Honestidade que anda em falta nos estudos sobre o comunismo.

Ávidos por ingressar no Ocidente, os países da Europa Oriental, com apoio financeiro do Ocidente, se apressaram em destruir qualquer referência positiva ao comunismo. Negam, manipulam, demonizam constantemente até mesmo a palavra socialismo.

Mesmo os intelectuais, que tanto se beneficiaram do sistema universitário comunista, hoje trabalham com recursos ocidentais para falsificar a História. Colocam, assim, todos os reclames sociais gerados pela perda de benefícios e direitos que a adesão ao liberalismo radical representou, bem como todas as memórias que não combinam com a memória oficial, sob o rótulo de revisionismo e saudosismo.

Ainda no que se refere à memória, o que se tem realizado é um discurso de vitimização, ou seja, todos viraram vítimas do comunismo, mesmo aqueles que eram conhecidos nazistas e fascistas. Como muito bem ilustra a autora, o assassino de Frank Thompson está em um destes sites de “memória” como vítima do comunismo…

Outros livros da autora

Kristen Ghodsee. Lost in Transition: Ethnographies of Everyday Life After Communism, Durham: Duke University Press, 2011.

___________ Muslim Lives in Eastern Europe: Gender, Ethnicity and the Transformation of Islam is Postsocialist Bulgaria. Princeton: University Press, 2009.

___________ The Red Riviera: Gender, Tourism and Postsocialism on the Black Sea. Durham: Duke University Press, 2005.