Por: Dr. Erick Reis Godliauskas Zen

Twitter: @erickrgzen

Boa noite a todos,

Obrigado por permitirem realizar o lançamento dos meus livros na Semana de História, mesmo as obras não tratando do tema específico desta Semana. Por isso mesmo agradeço, mais uma vez, a coordenação e aos alunos que apoiaram a difusão do meu trabalho.

Me cabe, nestes quinze minutos, apresentar os dois livros que escrevi nos últimos anos: Identidade em Conflito: os imigrantes lituanos na Argentina, no Brasil e no Uruguai (1924-1950) (EdUFSCar, 2014) e Mataram Alfonsas Marma: Imigração, Comunismo e Repressão (Aped, 2015). Os dois livros nasceram de uma mesma pesquisa realizada durante o meu doutorado na Universidade de São Paulo (USP) e que recebeu apoio da Fapesp.

A pergunta que muitos me fazem, quando apresento os meus livros, é: Por que dedicar uma pesquisa a um grupo de imigrantes que é tão pequeno em número se comparados com os italianos, espanhóis, japoneses, etc.? A primeira resposta é que é justamente por isso. Os estudos migratórios sempre se dedicaram aos grupos majoritários. Não é à toa que se tornaram um tanto quanto repetitivos em tema. Assim, os grupos minoritários sempre receberam uma atenção menor.

Como sabemos, nossa sociedade é composta de mais de uma centena de grupos de imigrantes. A imigração, emigração e migração sempre foram parte da nossa formação social. Esses movimentos devem ser considerados, portanto, como parte da nossa sociedade e receber uma atenção especial por parte dos pesquisadores sociais na sua plena diversidade. Isso tanto para temas sociais relacionados à história como às questões contemporâneas.

Imigração, emigração e migração são temas importantes para a sociedade brasileira, basta vermos as movimentações populacionais no nosso dia-a-dia aqui mesmo no Vale do Ribeira, ou as notícias sobre as agressões sofridas por imigrantes haitianos e africanos nos dias atuais. Da mesma forma, considero importante observar os discursos sobre esses imigrantes, como as acusações de infiltração no país, de que seriam treinados militarmente ou que trariam algum tipo de ideologia política ou doutrina religiosa ao país. Essas acusações, que parecem tão novas e modernas realizadas por jovens, são bastante antigas na nossa história, cada leva de imigrante que aqui aportou as sofreu na carne. Ainda assim, esses mitos da conspiração continuam a ser difundidos por ignorantes travestidos de filósofos.

Voltando ao tema especificamente dos meus livros, em particular do primeiro, Identidade em conflito ele recebeu certo destaque não só por tratar de um grupo minoritário, mas pela metodologia. Normalmente, as histórias sobre imigrantes europeus (e japoneses também) são apologéticas, algo como: viram, vieram e agora são parte da feliz classe média paulista, contribuindo para o país, mas mantendo alguns traços culturais de sua origem…

Bonito! Mas aqui o que falta é justamente a História. Uma História da imigração que inclua movimentos políticos, como comunismo, fascismo, nazismo, etc. Uma História que também inclua o tráfico humano e a prostituição. Uma História que pudesse traduzir os conflitos com o Estado brasileiro e os conflitos entre os imigrantes em seus distintos projetos políticos no Brasil.

Para além desse aspecto, é preciso considerar que os imigrantes mantinham laços de comunicação e solidariedade com os mesmo grupos (de mesma origem) em outros países, como na Argentina e no Uruguai. Essa troca de informações, esse trânsito de pessoas foi, também, parte da formação da identidade dos imigrantes. Portanto, é necessário realizar uma História que se desprenda das formas dos Estados Nacionais.

Grande parte da nossa escrita da história toma o Estado Nacional como um pressuposto necessário. Então, escreveríamos algo como: os lituanos no Brasil, por exemplo, mas aqui é preciso notar o quanto as fronteiras nacionais são, na realidade, permeáveis. Há uma História que está além das definições apriorísticas das fronteiras nacionais. Eis a questão: Por que delimitar os objetos de estudo de história dentro de uma fronteira nacional? Essa tentativa de superar, ou de ir além do aprisionamento dos objetos da História dentro do Estado Nação, é denominada de História transnacional.

Essa transnacionalidade dos fenômenos imigratórios foi o que eu me propus a entender, considerando o pequeno grupo dos imigrantes lituanos como objeto de estudo.

Isso nos leva ao segundo livro: Mataram Alfonsas Marma. Esse pequeno livro, como já mencionei, é resultado desta mesma pesquisa. Quando eu pesquisava para o meu doutorado me deparei com uma série de personagens que mereciam uma atenção em especial e Alfonsas Marma foi um deles.

Outros dois motivos me motivaram a trabalhar nesta obra. Primeiro nós historiadores no Brasil nos dedicamos muito pouco ao gênero biografia. Normalmente, as biografias são, ainda, associadas a livros de fofocas ou das chamadas “celebridades”, muito embora tenhamos ótimos livros e excelentes pesquisas biográficas. Assim, a biografia é um gênero muito importante para nós e que devemos olhar com atenção, e eu desejava fazer um primeiro trabalho (espero que não seja o último) neste gênero.

O segundo motivo, e esse mais complicado, se refere à violência política entre os anos de 1946 e 1949. Temos alguns documentos que apontam para ao menos 55 assassinatos políticos praticados por agentes do Estado, neste período. Entre estes crimes políticos está, justamente, o assassinato de Alfonsas Marma pela Força Pública do Estado de São Paulo.

Quando comecei a escrever o livro, um debate que considero complicadíssimo acontecia. Era o período de início dos trabalhos da Comissão da Nacional da Verdade. A lei que estabeleceu o seu funcionamento, originalmente, previa que as investigações deveriam abranger o período de 1946 até o fim da Ditadura civil-militar, abrangendo assim as duas transições de ditaduras para democracia.

No entanto, uma enorme pressão política, inclusive de intelectuais e militantes da esquerda, forçou a Comissão a limitar os seus trabalhos apenas sobre o período da segunda ditadura. Desta forma, todos os assassinados no período entre as ditaduras foram simplesmente abandonados…

Esse abandono foi sem dúvida um estímulo para que eu pudesse escrever uma biografia recuperando a trajetória de um dos ativistas políticos que tinha sido deixado sem verdade, portanto, sem memória. Tenho a esperança de que outros historiadores, com o tempo, recuperem cada um dos casos.

Espero que minha introdução tenha sido um convite à leitura. Desde a publicação dos dois livros já tomei muitas broncas e tive uma dezena de brigas por conta das minhas ideias… Isso significa que se os livros não são bons… Ao menos não puderam ser ignorados!

Obrigado a todos e boa noite!