Por Dr. Erick Reis Godliauskas Zen

Twitter: @erickrgzen

  • Escrito em:  4 de junho de 2009, Montevidéu
  • Falecimento do poeta uruguaio
  • Mario Benedetti

Desconhecia Mario Benedetti! Sinto-me obrigado a confessar minha ignorância e, somente na circunstância de seu velório, pude encontrá-lo. Seu rosto foi estampado em todos os jornais. Eu, atônito, me deparava com um dos personagens mais importantes da literatura e da política uruguaia. Era um feriado cívico chocho e frio. Dia preparado para grandes e eloqüentes discursos, mas o silêncio tomou Montevidéu. A Batalla de las Piedras vencida por Artigas e determinante para a independência daquele país, não tinha qualquer importância. O luto se abateu. Foi um feriado em homenagem a Mario Benedetti.

Sempre fui um leitor compulsivo. Desde que a minha dislexia foi sendo contornada. O que era uma dificuldade se tornou um dos meus maiores prazeres. Na escola me encontrei com a literatura brasileira e portuguesa. Mas essas logo se transformaram em livros para o vestibular. As aulas de literatura, que deveriam ser uma porta de entrada para humanização, foram prostituídas em enfadonhos preparos para a fuvest.

Não nego o esforço de alguns mestres para que fosse um pouco mais que isso. Contudo, os livros selecionados eram os da lista das provas e não constava literatura em língua espanhola. Em casa, talvez por minha ascendência, era mais fácil encontrar a literatura européia, particularmente da Europa Oriental. Considerando que a Rússia faz parte da Europa. Desde cedo os clássicos russos, Dostoievski, Tchekov, Tolstoi e assim por diante começaram a fazer parte do meu repertório. Mas os escritores latino-americanos eu fui conhecer no fim da faculdade com mais de vinte e cinco anos de idade.

Não me lembro exatamente como, ou porque, resolvi ler Cien Años de Soledad, talvez pelo prêmio Nobel de Gabriel García Márquez. Desgraçadamente, o reconhecimento europeu, muitas vezes, ainda é o caminho para valorizar e conhecermos nossos vizinhos, também latinos. Pouco depois, me chegou Borges pelas mãos de uma ex-futura namorada. Na minha primeira viagem para a Argentina, me encantei com Cortázar. Nosso encontro se deu em uma promoção da livraria Ateneu por ocasião de uma data comemorativa qualquer. Li seus livros um após o outro.

Digo, ainda que em voz baixa, que prefiro Cortázar a Borges. Mas sei que posso apanhar por esse comentário. Uma amiga da minha mãe, chilena, ao arrumar o armário para se mudar me regalouvelhos e usados livro de Neruda. Outros de Isabel Allende, mas essa eu deixei de lado. Assim, ocasionalmente, sem projeto ou propósito, fui conhecendo pouco a pouco os escritores de língua hispânica, ou castelhana, como queiram. Claro que meu interesse pela língua ajudou a acelerar as leituras. Assumir o idioma de um autor é tão difícil quanto revelador de novas descobertas e prazeres.

Lástima que só me encontrei com Benedetti naquele dia fatídico. A comoção profunda causada pelo seu falecimento e as manifestações que se seguiram expunham algo que envolvia sua literatura. A capacidade de sua pluma em desvelar a sociedade uruguaia. Sua percepção crítica o levou a ser chamado de “cronista de Montevidéu”. A postura política era clara: estava à esquerda. Sua trajetória o fez ser adotado como símbolo da luta pela transformação social. Apoiou a Frente Ampla,que agora está no poder.

Como comentou Constanza Moreira, o seu legado foi o de “haber descrito com uma pluma sin igual, al país de las clases medias: conservadoras, resignadas, desapasionadas, oficinescas”. Talvez seja justamente por isso que eu, afogado nesta classe média latino-americana, pude tão rapidamente me identificar com seus escritos. Assim, estamos nos tornando cada vez mais íntimos. Logo vou retirar os Ud. de nossas conversas. Usarei o “vos”, para ficarmos mais próximos. Quem sabe, até mesmo, ousar chamá-lo de Mario. Assim, Gracias Por El Fuego.

  • Se você GOSTOU deste artigo inscreva o seu EMAIL para receber atualizações
  • Acompanhe a nossa página no Facebook
  • Conheça nosso canal no YouTube.